segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Baile dos suspiros

O corpo de fumaça
Cala minha boca

Transborda delírio
Nas paredes do meu céu
Derrama sua dança
Com saliva amarga

Agarrado à alma, corta
O pulmão negro
Se finda o fôlego cativo,
Voamos

No chão, arrasta a brisa
Cinzas de órgãos estacados,
E o cigarro
Que ainda respira.

.

André Ulle

7 comentários:

  1. Que veia poética !!!
    Está me saindo melhor que a oferenda...

    ResponderExcluir
  2. Carimbadíssimo para o trem que revira.

    ResponderExcluir
  3. Que foto heim?? Amei

    meu poeta,jaja entra para a história rsrs.

    ResponderExcluir
  4. Coisa boa. Bom de ler, bom de ver, bom de sentir... Imagens, intensidade... Cara, muito bom mesmo. (em bora eu tneha me sentido ofendido como fumante. rsrsrsrs)

    Abraço, meu caro!

    "A poesia prevalece!" (Anitelli)

    ResponderExcluir
  5. faz mal, mas dá prazer...
    o importante é o que se sente

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Já comentei nos orkut... gostei muito...
    Abraço

    ResponderExcluir

"Não me venha com mais infância"

De todas as infâncias aqui vividas, aqui postadas, aqui lembradas, eu não quero mais lembranças de uma infância. Seja sempre criança, não me venha com infância, infância é coisa de quem já envelheceu. Envelhecer é coisa de coração que vai morrer. Não me fale de infância, aqui somos eternamente esses olhos encantados.