domingo, 21 de novembro de 2010

Do que se era

- Ta vendo aquela senhora?

-Tô! O olhar dela até arrepia, né?

-Agora tá vendo esses olhos perdidos? Esse é um leitor, os leitores não gostam muito de chegar ao meio de um diálogo e ficar sem entender muito bem o que está acontecendo. Por isso que eles ficam com esse ponto de interrogação gigantesco saltando da pupila.

-Mas eles sabem quem somos?

-A maioria deles não, são apressados, chegam procurando um monte de coisas, revirando às páginas atrás de um sentido. Alguns trazem seu coração nas mãos querendo algum tipo de cura, sabe? Parece uma epidemia, cada dia os casos de corações partidos são mais comuns entre eles.

-E ela? Por que fica calada? E por que dessas rugas se nós, os poemas, nunca envelhecemos?

-Ela já embalou muitos romances, já brilhou debaixo das lágrimas de moças sonhadoras, e já fisgou o peito de muitos rapazes sensíveis. Mas hoje tudo anda meio seco, o amor é um estigma, as pessoas o paginam depressa demais, sem se dedicar ao tempo dos detalhes, dos gestos mais simples. Os olhares não foram feitos para calcular os riscos e dimensionar as profundidades, são apenas portais que permitem que se mergulhem uns nos outros. Sei que enquanto as pessoas permanecerem assim tão distantes, isso e tudo o que somos nunca farão sentido algum.

Sem poder deixar de ouvir, chorava com os olhos de Neruda, quase inteiramente opacos, quase dementes.

21 comentários:

  1. Muito bom seu texto, parabéns e tudo de bom.

    ResponderExcluir
  2. Essa sim é a amostra do mundo, ninguem mais aprecia detalhes e o imediatismo é cada vez mais constante e o verdadeiro sentimento fica esquecido em palavras de um poeta que amou.
    Quase ninguem mais ama verdadeiramente.
    Estou gostando de vir te visitar :)

    ResponderExcluir
  3. Oi André, bom texto.

    Eu nesses últimos dias tava pensando nessa secura que está hoje em dia, tudo é muito violento e sem sentido.

    Mas dias melhores virão, pode acreditar.

    ResponderExcluir
  4. De nada adianta cerrar olhos.
    De nada adianta plainar outros ares,
    se a bagagem levada é sempre a mesma.
    Delícia de blog!

    BeijooO'

    ResponderExcluir
  5. Tinha mesmo de sair de ti uma coisa dessas.
    Incrível Dé, gostei demais.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Incrível é pouco...
    Quanto tempo sem te ler, não mudou.. ou melhor, mudou pra melhor! rs


    " Quase demente "
    quanto a chorar com os olhos de Neruda... El libro de las Preguntas..
    " (...) de que rie la sandia cuando la están asasinando?

    ResponderExcluir
  7. Eis um blog que a gente adora os textos como os comentários :)

    ResponderExcluir
  8. Um texto sensível e tocante, tem que ser feito por uma pessoa especial.
    Gostei e vou ficar por aqui, de olhos bem abertos.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. André Um bom e lindo texto e muito sensivel, par se escrever um texto destes em prosa é preciso ser uma pessoa um pouco especial nestas coisas da escrita.
    Um abraço
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  10. Uau, adorei esse, ficou ótimo!
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Nossa André, que lindo, sabe que os olhos, eu acredito que sejam a alma da gente.

    Beijos menino!

    Meu blog está com um problema, e por isso não aparece a atualização na pagina dos amigos, mas peço que mesmo assim não deixe de me visitar.

    ResponderExcluir
  12. Excelente! Cada história para contar que cada um de nós tem, precisamos ouvir mais as pessoas.

    ResponderExcluir
  13. Olá, André!

    Depois de uns dias ausente, aqui, colocando a leitura em dia... e que leitura!

    Adorei o texto! Profundo demais e me fez refletir bastante...

    Amei isso: "Mas hoje tudo anda meio seco, o amor é um estigma, as pessoas o paginam depressa demais, sem se dedicar ao tempo dos detalhes, dos gestos mais simples. Os olhares não foram feitos para calcular os riscos e dimensionar as profundidades, são apenas portais que permitem que se mergulhem uns nos outros."

    Perfeito! Parabéns...

    Beijinho :)

    ResponderExcluir
  14. OI menino, passando apenas para um mega beijo.

    Tchau

    ResponderExcluir
  15. Oi André,
    Que achado esse seu blog, fiquei muito feliz...Que coisa boa encontrar pessoas q tenham tanta sensibilidade a ponto de escrever coisas assim...
    'Alguns trazem seu coração nas mãos querendo algum tipo de cura, sabe?'
    Sei, acho até que sou uma dessas pessoas...
    No meu blog fiz um post sobre o amor...Se puder fazer uma visita..
    http://meuloucodiamante.blogspot.com
    Parabéns pelo talento e consciência.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Sim, sim, eu confesso que sou apaixonada por palavras e que muitos textos me encantam... Mas o seu é diferente, é uma raridade. Muitas pessoas escrevem por escrever. Porém, muitos esquecem de acariciar as palavras, para que essas possam acariciar os olhos do leitor.
    As suas palavras acariciaram os meus olhos.
    Pode parecer bobeira, mas eu encontrei alma em suas palavras, um amor entre o escritor e a escrita. E isso me encanta demais.
    Parabéns pelo talento, pelo o texto e pela intimidade com as palavras (ao meu ver).
    Beijos.

    P.s.: Desculpe-me pela extensão do comentário.

    ResponderExcluir
  17. André,
    Fico feliz que tenha gostado do meu blog, fiz com muito carinho...é bom ter um canto onde você tem a liberdade de expressar seus sentimentos.
    Um beijo grande!

    ResponderExcluir
  18. Oiiiiiiiiiiiii!
    Adorei o seu blog! Parabéns!!!
    Se quiser conhecer o meu, é : www.espiculaderodinha.blogspot.com
    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  19. Oláá!
    adorei o blog, parabéns ^^

    voltei a postar, como tinha recadinho seu lá, vim avisar ;)

    beijo grande!!

    ResponderExcluir

"Não me venha com mais infância"

De todas as infâncias aqui vividas, aqui postadas, aqui lembradas, eu não quero mais lembranças de uma infância. Seja sempre criança, não me venha com infância, infância é coisa de quem já envelheceu. Envelhecer é coisa de coração que vai morrer. Não me fale de infância, aqui somos eternamente esses olhos encantados.