segunda-feira, 12 de julho de 2010

Alzheimer

- Onde estamos?

Beija como na primeira vez, os dois se degustam, ignorando o ambiente. Não, o tempo não importa mais, não como antes, que se lembrava o tempo todo do tempo que não podia perder. Agora nem o tempo mais arquivava sentimentos profundos, o romance prevalecia por ser alma pura ali despencando, roçando no tapete.

- Onde estamos?

A fraqueza da língua mutilando qualquer intenção de resposta, o cérebro não ajudava.

Beijou- a novamente, ela perguntando centenas de vezes a mesma coisa, não havia mais respostas, mas o coração ainda se contorcia no peito, lhes sobrava instinto. Ele não podia responder mais nada, os olhos despencaram, já não sabia diferenciar ela da TV desligada. Sem mais nenhuma reação, o vento frio que atravessava a janela aberta atingiu seu corpo nu, a pneumonia era só um empurrão, caiu duro na sala.
Ela se viu perdida, era tudo muito estranho e inaceitável, aproximou-se do corpo gelado do marido:

- Onde estamos?

8 comentários:

  1. "Ela se viu perdida, era tudo muito estranho e inaceitável, aproximou-se do corpo gelado do marido:

    - Onde estamos?"

    Sabe quando você se imagina na "cena"? Foi exatamente nessa parte em que eu me imaginei e parecia tudo tão real aqui na minha cabeça, acho que eu imagino demais.

    ResponderExcluir
  2. final alternativo
    "não sei vc minha filha, mas eu já estou bem longe..."
    uaahuahu q bosta
    voltei!!! (meu pc tinha pifado)

    mas diz ae
    qual eh a sua resposta pra essa pergunta

    onde estamos??

    ResponderExcluir
  3. "Onde estamos!"

    Bela expressão André...
    Uma realidade dolorida!

    Meu beijo!

    ResponderExcluir
  4. Onde vc está no meu mundo, eu sei. Ainda que meus olhos voltem tímidos, eles sempre te espiam.

    bjos.

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto!!!

    Parabéns, belo blog...

    PARABÉNS!!!

    Acesse:
    http://mailsonfurtado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Tristemente belo. A memória nos prega peças, a vida mais ainda.

    ResponderExcluir

"Não me venha com mais infância"

De todas as infâncias aqui vividas, aqui postadas, aqui lembradas, eu não quero mais lembranças de uma infância. Seja sempre criança, não me venha com infância, infância é coisa de quem já envelheceu. Envelhecer é coisa de coração que vai morrer. Não me fale de infância, aqui somos eternamente esses olhos encantados.