segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

"Um quase conto natalino"

De frente a joalheria.

Chupou a bala numa velocidade incrível. Deixou aberta a boca, enquanto sentiu-a envolvendo sua saliva, criança gulosa. Sentiu o sabor de a bala evolver em suas glândulas, e atravessar explodindo sua pele.

Antes disso, num pequeno flash, sorriu e olhou-o nos olhos pra caminhar ao seu destino.


Intrigados, os peritos tinham quase certeza de que a criança ouviu os disparos mesmo antes de tentar se aproximar.

As roupas de Papai Noel largadas dobrando a esquina despistavam o meliante.

Das mãos do pequenino uma carta quase ilegível mergulhada na baba de sangue que cingia agora seu corpo baleado.


“- Mas eu ainda acredito, sei que o senhor pode devolver o emprego do papai, a visão do vovô. E sabe, dessa vez é mais sério, não estou pedindo brinquedos, vou pessoalmente lhe entregar, não confio muito nos carteiros. E eles já têm muitas coisas pra você. Não conta que te contei, mas já trouxeram correspondência errada aqui em casa, umas duas vezes –“



André Ulle




"Não existe o Natal ideal, só o Natal que você decida criar como reflexo de seus valores, desejos, queridos e tradições. "

Bill McKibben

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Cara! Muito emocionante o conto. Gostei! Me fez pensar num monte de coisas! Ah, achei legal o jeito de contar, descortinando os fatos aos pouquinhos pra prender o leitor-blogueiro. Demais também o texto da gasolina (logo abaixo). Deixei um comentário lá. Parabéns. Aquele abraço!

    Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA - www.atorremagica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. ^^ Palavras de Menino
    ^^ Certeza de Sonhador
    ^^ Coração de Filho do Altissimo!^^

    Dé muito me agrada a leitura dos seus versos, seus contos, suas crônicas e suas canções!

    Solicito apenas, que permaneça!
    Que Não permita que sua essência vá morar em outra banda ou que os seus valores, sejam trangredidos por outras crenças!

    Amo-te, não pelo que você é diante dos homens, ou perante o teu e Senhor nosso, mas por aquilo que acredito. amo-te por inteiro, com todos os seus erros ou acertos, sua bondade ou suas ações mal intensionadas, amo-te pelo que vejo e conheço hoje e amarei amanhã independente do que venha a ser^^

    Muito Grata pela tua proporção de sensações, pensamentos e conclusões a respeito de Tantas Coisas!

    Beijo... TaTi

    ResponderExcluir
  4. o melhor blog sklsps deh tudo de melhor ih continue asim so naum esqce minha comisaao pela merchand de vc em sksps abraals

    ResponderExcluir

"Não me venha com mais infância"

De todas as infâncias aqui vividas, aqui postadas, aqui lembradas, eu não quero mais lembranças de uma infância. Seja sempre criança, não me venha com infância, infância é coisa de quem já envelheceu. Envelhecer é coisa de coração que vai morrer. Não me fale de infância, aqui somos eternamente esses olhos encantados.